sábado, 7 de dezembro de 2019

Política: 2020 está muito parecido com 2016

Resultado de imagem para futuro repetir o passado"

Até agora não se sabe quem são os candidatos apoiados pelo grupo "bicudo", assim como em 2016, o anúncio está demorando muito e isso não é bom, esse blog já avisou, estamos vendo o futuro repetir o passado, como diria Cazuza.

MARCELINO VIEIRA: VEREADORES DEVEM VOTAR ATÉ 2020 AUMENTO PARA ELES PRÓPRIOS E PREFEITO


Resultado de imagem para supersalários"

Os maiores salários do funcionalismo público municipal pode ficar ainda maior, isso porque os vereadores planejam aumentar os próprios salários para a próxima legislatura.

Marcelino Vieira gasta mais de 30 mil reais por mes, apenas com os salários dos vereadores e mais cerca de 24 mil com os salários de prefeito e vice.

A pauta bomba deverá ser passada até o começo do próximo ano, uma vez que o aumento dos supersalários da administração é motivo de revolta da população e quanto mais se aproxima da eleição, mais fácil do povo lembrar.

No município de Colatina - ES, aconteceu algo semelhante, a câmara aumentou o salário do executivo, legislativo e secretariado, no entanto, o prefeito Sergio Meneguelli vetou o aumento e gravou um vídeo assinando o veto. O prefeito ficou conhecido como o melhor prefeito do Brasil, vamos torcer para que o executivo use o bom senso e caso não use, o prefeito Babau siga o exemplo e vete tamanha farra.

terça-feira, 26 de novembro de 2019

CONSTRUÇÃO CIVIL: Saiba qual a menor dimensão de um pilar


Resultado de imagem para pilar de concreto"


Atualmente com o desenvolvimento tecnológico e o grande mercado da construção civil, estão construindo edificações com pilares cada vez mais esbeltos, ou seja, com dimensões transversais reduzidas, principalmente quando tem-se arquiteturas mais ousadas ou quando querem economizar na obra. 

Porém, uma obra de construção civil é projetada para que possa ter uma vida útil de 50 anos, isso é, sem que venha a ruínas ou ocorram problemas que inviabilize o bom uso da edificação como trincas ou deformações excessivas, contradizendo assim o “dito popular” de que “eu sempre fiz assim e nunca caiu”. Para que isso seja possível, existem normas que ditam a boa técnica e projeto das edificações. 

Para o caso dos pilares, a NBR 6118/2014 que trata do projeto de estruturas de concreto armado, impõe que a menor dimensão para um pilar seja de 19 cm, podendo ser reduzida até 14 cm desde que se multiplique as cargas deste pilar por um coeficiente majorador, que no caso de uma dimensão de 14 cm majoraria em 25 % as cargas sobre esse pilar. Em qualquer caso, não se permite seção transversal menor que 360 cm². 

Muitas vezes é feito confusão até mesmo entre os engenheiros com relação ao uso da norma de desempenho NBR 15.575, que no item 7.2.2.1 tem o seguinte texto: 

“Para casas térreas e sobrados, cuja altura total não ultrapasse 6,0 m (desde o respaldo da fundação de cota mais baixa até o topo da cobertura), não há necessidade de atendimento às dimensões mínimas dos componentes estruturais estabelecidas nas normas de projeto estrutural específicas (ABNT NBR 6118, ABNT NBR 7190, ABNT NBR 8800, ABNT NBR 9062, ABNT NBR 10837 e ABNT NBR 14762), resguardada a demonstração da segurança e estabilidade pelos ensaios previstos nesta Norma (7.2.2.2 e 7.4), bem como atendidos os demais requisitos de desempenho estabelecidos nesta Norma.” 

Se prestar-mos bem atenção nas frases destacadas acima, a NBR 15.575 apenas dá resguardo para que se construam as casas térreas de modo convencional, pois dificilmente será possível utilizar esse critério para edificações com mais de um pavimento, já que esses 6 metros incluim desde o respaldo da fundação até o topo da cobertura, contando com telhado e reservatório. 

É necessário também atender os critérios de desempenho, ou seja, além de observar a estabilidade da estrutura, é necessário atender as condições de proteção contra corrosão (como o cobrimento mínimo de concreto), fissurações etc. 

O fato de uma edificação ser construída com pilares de 12 cm não significa que ela irá cair, uma prova disso são as construções espalhadas pelas favelas de todo o Brasil, o que se propõem com o uso adequado das normas, são que sejam atendidas as boas práticas de projeto e construção de modo que a edificação alcance sua vida útil de pelo menos 50 anos, sem apresentar patologias que inviabilize sua utilização ou a vida do usuário. 
Resultado de imagem para favelas construçaõ"

Portanto, é equivocado o entendimento de que é permitido a utilização de pilares menores que 14 cm como impões a NBR 6118, pois a NBR 15.575 apenas permite utilizar pilares menores na situação de casas térreas menores que 6 m de altura, desde que tenham um estudo para comprovar a garantia de desempenho mínimo da estrutura. 


Ronivon Bessa
Engenheiro Civil
CREA-RN nº 211885555-9






Na hora de construir, reformar e avaliar, procure especialistas


segunda-feira, 25 de novembro de 2019

Humor: Personagem vieirense tem página apagada do facebook



O Velhinho digital influencer da política vieirense teve seu passatempo excluído em meio a comentários feitos pelo seu perfil sobre as comemorações dos 66 anos de Marcelino Vieira.

Trata-se do personagem Marcelino Zueira. O perfil foi criado em 2016 e mudou completamente a forma de fazer política nas redes sociais, no entanto, seu estilo sarcástico e ácido não agradou a todos e segundo ele, foi "atacado" digitalmente por haters que derrubaram sua pagina.

O Zueira procurou esse blog para avisar aos seus seguidores que já está de volta, o facebook analisou as denúncias e solicitou provas de que ele existe de fato, após enviar todos os documentos, o facebook liberou seu perfil.

Até hoje não se sabe quem é o autor da pagina, e o divertido vovô parece querer continuar no anonimato.

Sem festa dançante, prefeitura realizou uma programação especial para aniversário da cidade







O Prefeito Babau anunciou ainda em outubro que não faria festa dançante em praça pública no dia 24 para diminuir os gastos públicos, a prefeitura terá que pagar os 13° salários de todos os funcionários até o dia 20 de dezembro e isso já é um gasto bem excessivo, no entanto, não faltou programação, ouve eventos esportivos, inaugurações, alvoradas e o tradicional bolo.


Quando Babau assumiu a prefeitura em 2017 trouxe de volta a tradição das comemorações do aniversário da cidade que havia sido abandonada nos governos Ferrari, os dois últimos anos o aniversário da cidade foram comemorados com uma semana de festa, esse ano a programação durou dois dias, mas a data não foi esquecida.

Fotos e videos podem ser conferidos na pagina oficial da prefeitura no facebook


Marcelino Vieira fez 66 anos nesse domingo

Igreja de Santo Antônio : Marcelino Vieira (RN) - [19--]

A cidade de Marcelino Vieira completou 66 anos de história, o município originou-se de fazendas de criação de gado. Inicialmente, chama-se Passagem do Feijó. Em 1864, Raimundo Fernandes doou uma parte de suas terras ao Padre Bernardino José Queiroz então vigário de Pau dos Ferros, que iniciou a construção da capela. Dois anos depois o Padre Bernardino mudou o nome do arruado para Vitória, já à época, esparso, mas densamente povoado. 

Quando elevado à categoria de vila, passou a ser chamdo de Panatis, devido aos índios penatis, primitivos habitantes. Desmembrado de Pau dos Ferros e Alexandria, passou à Cidade com o nome de Marcelino Vieira, paraibano, chefe político de Luis Gomes, que impôs-se pela serena energia, bondade acolhedora, que valorizou, pela inciativa e exemplo, a terra que o considerava um dos melhores filhos.

sexta-feira, 22 de novembro de 2019

A nova missão do general Villas Bôas: um instituto sobre doenças raras



Ex-comandante do Exército e atual assessor especial do Gabinete de Segurança Institucional, o general Eduardo Villas Bôas lança no próximo dia 4 de dezembro, em Brasília, o Instituto General Villas Bôas (IGVB).
A entidade sem fins lucrativos se dedicará à organização do seu acervo pessoal e profissional e à promoção de ideias e debates em temas como geopolítica, Amazônia e Defesa. O instituto atuará ainda na difusão de informações sobre as chamadas Tecnologias Assistivas, voltadas a pessoas com doenças raras, crônicas e deficiências diversas.
Diagnosticado com Esclerose Lateral Amiotrófica desde 2016, o general Villas Bôas quer oferecer apoio a pessoas com deficiências e doenças raras, e suas famílias, sobre direitos, benefícios, tratamentos e recursos tecnológicos disponíveis, além de motiva-los a se manterem ativos, apesar da doença.
“A primeira coisa que muitas pessoas pensam ao receber um diagnóstico é como poderão se manter produtivas. Quero aproveitar que me tornei uma pessoa conhecida e com alguma capacidade de mobilização, motivação e de integração entre os órgãos públicos e privados”, diz.
O instituto será presidido pelo próprio general, ao lado da sua filha caçula, Adriana Haas Villas Bôas, que ocupará a função de diretora-executiva.

terça-feira, 12 de novembro de 2019

Marcelino Vieira: Ex vereadora Veronica Rodrigues é condenada em 2 anos de reclusão e tem direitos políticos suspensos

Resultado de imagem para veronica rodrigues marcelino vieira"


A Ex vereadora Verônica Rodrigues foi condenada pelo crime de uso de documento falso, o processo é o 0100290-91.2016.8.20.0143 e a consulta é pública no site do tjrn

O crime teria acontecido no ano de 2015, no Sítio Panati, Zona Rural do Município de Marcelino Vieira/RN, a então vereadora fez uso de documento público falsificado, ao entregar uma certidão de casamento falsificada a Francisco José da Silva e Francisca Paula de Almeida Silva, como suposto êxito na ação de retificação nº 0000489-81.2011.8.20.0143.

Consta, ainda, que Verônica, atuando como advogada, no ano de2015, entregou a certidão de casamento falsificada ao casal mencionado, afirmando ser fruto do êxito conseguido na ação judicial.

Ao verificar a referida certidão, uma filha do casal,observou que havia um erro na grafia do sobrenome de sua mãe, motivo pelo qual procurou o cartório de Tenente Ananias/RN para correção da certidão.

Ao chegar no cartório, a filha do casal  foi informada pela tabeliã que a certidão era falsa e fez a denúncia foi recebida em 15 de junho de 2016

Ao analisar todas as provas o Juiz Emanuel Monteiro aceitou a denuncia e julgou a ex vereadora como culpada, estabelecendo a pena de  02 (dois) anos de reclusão e 10 (dez) dias multa em regime aberto

O Juiz substituiu a pena privativa de liberdade imposta a ré por duas mais brandas:
a) prestação pecuniária, no importe equivalente a 10 (dez) salários mínimos vigentes em favor de entidade a ser indicada na execução penal.

b) comparecimento mensal obrigatório em juízo para informar e justificar suas atividades.

O Juiz também solicitou que informasse ao TRE através de oficio para que seja suspensos os direitos políticos da ex candidata.

A ex vereadora, advogada e médica ainda pode recorrer em instâncias superiores
 __________

Nota da edição - 13.11.19 ás 10:30min

Na matéria original esse blog postou uma imagem pública da campanha política de 2016 no qual a candidata Verônica Rodrigues aparece ao lado de sua vice Roberta Fernandes. Roberta ficou incomodada e com receio de que seu nome fosse ligado ao conteúdo da matéria. Para evitar essa confusão, trocamos a imagem original.

ALTO OESTE POTIGUAR JÁ CONTA COM PONTO DE ENGENHARIA CIVIL NA CIDADE DE MARCELINO VIEIRA-RN


RONIVON BESSA - Engenharia Civil e Consultoria - fica localizado na Rua Desembargador Licurgo Nunes, N° 26, centro, rua da pista


O ponto de engenharia RONIVON BESSA - Engenharia Civil e Consultoria - propõe atender serviços privados e públicos de modo a proporcionar maior economia, segurança, qualidade e rapidez nos serviços através de parcerias e terceirizações com profissionais da cidade, das cidades vizinhas e até mesmo de outros estados. O escritório pode ser procurado para serviços de Projetos arquitetônicos, estruturais, combate a incêndio, elétrico e hidrossanitário, execuções, consultorias, laudos técnicos, avaliações imobiliária, treinamentos de mão de obra, material didático, planejamentos urbanos e de obras, entre outras atividades relacionadas a Engenharia Civil.

Devido ao grande crescimento e desenvolvimento da indústria da construção civil, bem como o grande aumento do número de profissionais responsáveis técnicos e o maior controle e fiscalização por parte dos órgãos regulamentadores como as prefeituras e o Conselho Regional de Engenharia e Agronomia (CREA), surge na região uma maior procura por profissionais de Engenharia Civil.

A cidade de Pau dos Ferros já conta com uma inspetoria do CREA-RN que vem atuando de forma permanente em todas as cidades da região, no qual é fiscalizado a existência de responsáveis técnicos nas obras, bem como o exercício irregular da profissão, prevenindo assim a sociedade desses tipos de irregularidades. A não contratação de Profissionais da Engenharia devidamente registrados no CREA causa embargo da obra e multas que nos casos mais corriqueiros podem chegar em torno de R$ 1.788,72 para pessoa física e R$ 5.366,16 para pessoa jurídica.

A fim de amenizar essas irregularidades e melhorar a qualidade das obras civis na cidade de Marcelino Vieira e demais regiões, o Engenheiro civil Ronivon Bessa abriu um ponto de Engenharia Civil na cidade para que sirva como referência na hora de se iniciar qualquer atividade relacionado a construção civil, seja serviços públicos ou privados.

O escritório pode ser contatado via internet pelos seguintes contatos:





Marcelino Vieira: Babau explica caso do polêmico vídeo



Babau fez uso de suas redes sociais para explicar os motivos de um carro da saúde do município ter sido flagrado em um aeroporto, deixando passageiros. Segundo o prefeito, o carro estava deixando uma acompanhante e filha de uma senhora idosa que havia vindo a cidade para cuidar de sua mãe.

Segundo a legislação do SUS o estado tem a obrigação de transportar também os acompanhantes de idosos (maiores de 60 anos) e menores de idade, devendo fornecer condições para a sua permanência em tempo integral. (art. 16 da Lei 10.741/03 - Estatuto do Idoso).
Além de tudo isso, o prefeito explica que a família é de origem humilde e não tinham condições de pagar um transporte e nem havia a disponibilidade de um no dia, não restando outra opção para o gestor. 

O prefeito também explicou que existiam outros carros da saúde disponíveis no município para levar outros pacientes e atender as demandas do municipio sem necessitar daquele transporte
Nas redes sociais a população apoiou o gesto do prefeito e cobraram que ações como essas fossem repetidas para todos os que precisassem.
Assista o vídeo:

domingo, 10 de novembro de 2019

PT quer candidatura própria em todas as cidades e Marcelino Vieira pode ter 3 chapas esse ano

Resultado de imagem para PT Marcelino Vieira"

Em assembleia interna do partido, o PT disse que queria um candidato a prefeitura em todas as cidades onde tivesse uma sede.

Marcelino Vieira é uma dessas cidades e poderá surgir aí um 3° candidato a prefeitura da cidadezinha

Marcelino Vieira: Vídeo mostra carro da prefeitura em aeroporto


Um vídeo do carro do município deixando pessoas em um aeroporto circula pelas redes sociais. Até agora não se sabe o que pode ter ocorrido, estamos aguardando informações para trazer uma matéria completa sobre o caso.

o paradeiro do porteiro do condomínio de Bolsonaro

Depois de implicar o presidente em depoimentos à polícia, logo desmentidos, Alberto Jorge Mateus não voltou ao trabalho e vive como 'um animal acuado'

 
SOB HOLOFOTE – “Seu Alberto”: o condomínio preferiu afastá-lo do serviço até a poeira baixar

O porteiro mais comentado do Brasil finalmente tem nome e endereço. Ele se chama Alberto Jorge Ferreira Mateus e mora na Gardênia Azul, bairro fincado em área dominada por milícias na Zona Oeste do Rio de Janeiro. VEJA o localizou às 17 horas de segunda-feira 4, quando ele apareceu na porta de casa, um sobrado amplo e sem pintura, de shorts, chinelo e camiseta do Flamengo. Assim que a reportagem se identificou, o sorriso despreocupado com que o porteiro se aproximou sumiu. “Eu não estou podendo falar nada. Não posso falar nada”, disse, virando as costas e fechando a porta. Alberto Mateus ficou famoso, ainda sem nome nem endereço, na última semana de outubro, quando o Jornal Nacional divulgou os dois depoimentos dele à Polícia Civil do Rio de Janeiro afirmando que no dia do assassinato da vereadora Marielle Franco e de seu motorista Anderson Gomes, em 14 de março do ano passado, um dos acusados pelo crime, o ex-policial militar Élcio Queiroz, parou na cancela do condomínio em que ele trabalha, o Vivendas da Barra, e lhe disse que ia visitar a casa 58, onde vivia seu mais famoso morador: o então deputado federal Jair Bolsonaro, candidato à Presidência. A versão cairia por terra em menos de 24 horas. Ele mentira.

 
 
Na rua da Gardênia Azul onde Alberto Mateus mora com a mulher há 32 anos e onde criou o casal de filhos, ninguém dá palpite sobre o motivo que o teria levado para o olho de um furacão envolvendo o presidente da República. Moradores e comerciantes do local, uma via calma de mão dupla por onde circulam motos e carros em péssimo estado, demoraram a saber que aquele sujeito calvo, alto, magro e discreto, que não frequenta bares nem festas e nos fins de semana é visto sempre a caminho da igreja, com uma Bíblia nas mãos, era porteiro do condomínio Vivendas da Barra.

Um cunhado, que não quis se identificar, conta que boa parte da família só descobriu na reta final da eleição do ano passado, quando o porteiro foi filmado por uma equipe de TV na entrada onde o público se aglomerava. “A gente brincou que ele estava famoso.

O Beto é do tipo que sai cedo para trabalhar e não comenta nada”, disse. Ultimamente, segundo o cunhado, anda mais calado ainda: “Não sei se alguém importante mandou ele não falar. Quando alguma pessoa chega perto e toca no assunto, ele foge”.

À polícia, o porteiro contou que, enquanto Queiroz esperava na cancela, ele acionou o interfone e foi atendido por “seu Jair”, que autorizou a entrada. Anotou o endereço no livro de registro, como é de praxe, e abriu a cancela. Ao observar pelas câmeras de segurança que o carro não seguiu para o número 58, mas para o 65, falou pela segunda vez com “seu Jair”, que, sempre de acordo com o depoimento do porteiro, disse que sabia do desvio.

Confrontado com uma gravação do diálogo arquivado no computador do condomínio, em que não havia nem menção à casa 58, nem comunicação com “seu Jair” e nem mesmo registro da sua voz — o porteiro que fala tem outro tom —, Alberto Mateus insistiu na sua versão do acontecido, sem explicar a discrepância.
Ronnie Lessa, acusado de atirar em Marielle
 
CASA 65 – Residência de Lessa, no Vivendas: ponto de encontro para o crime

O dono da casa 65 é o também ex-­PM Ronnie Lessa, o outro acusado de matar Marielle (Queiroz teria dirigido o carro e ele, puxado o gatilho). O encontro da dupla, quatro horas antes do crime, é peça crucial na reconstituição do caso. 
 
Ao envolver “seu Jair” no enredo, ainda mais em um dia em que o deputado estava comprovadamente em Brasília — como o próprio Jornal Nacional apontou —, o porteiro identificado por VEJA criou uma enorme confusão, por motivo até agora não esclarecido, já que não voltou a ser convocado pela polícia para dar explicações. 
 
Aparentemente tranquilo nos dias seguintes aos seus depoimentos, prestados em 7 e 9 de outubro, durante seu período de férias, ele foi ficando nervoso à medida que a repercussão crescia. Deveria ter voltado ao posto em 1º de novembro, mas, diante da divulgação do depoimento três dias antes, o condomínio optou por prorrogar a licença e mantê-lo afastado do local até a poeira baixar. 
 
Cinco dias depois, no domingo 27, Alberto Mateus foi visto na praia, ajudando a mulher, que tem uma barraca onde vende cervejas e refrigerantes a 2 quilômetros do Vivendas. “Ele comentou o caso com a gente muito por alto. Acho que não tinha dimensão do que estava acontecendo”, disse a VEJA o dono de uma barraca próxima, que não quis se identificar. Hoje, segundo familiares, o porteiro está “feito um animal acuado”.

Diante da referência a “seu Jair”, o Ministério Público estadual encaminhou ao Supremo Tribunal Federal uma consulta sobre como deveria proceder e ficou aguardando resposta. A divulgação do depoimento do porteiro Alberto foi acompanhada de reação irada de Bolsonaro (que estava em viagem ao Oriente Médio), que atacou a imprensa e o governador fluminense Wilson Witzel, a quem responsabilizou pelo vazamento porque quer dispu­tar a Presidência em 2022.
 
 Preocupado, o MP foi de novo ao STF, dessa vez pedindo autorização para providenciar uma perícia urgentíssima do áudio em poder da polícia e afastar qualquer suspeita de que ele pudesse ter sido adulterado. 
 
No dia seguinte, as promotoras encarregadas do inquérito anunciaram em entrevista coletiva o resultado da perícia: o áudio estava intacto e nele se ouve que Queiroz disse que ia à casa 65, a do comparsa Lessa. E a voz da pessoa que o atendeu não era a do porteiro àquela altura ainda sem nome. O filho do meio de Bolsonaro, o vereador Carlos — que também mora no condomínio, na casa 36 —, divulgou nas redes sociais trechos da conversa, um ato controvertido por levantar a questão de como teve acesso ao material arquivado no computador da portaria. 
 
Antes dele, Bolsonaro havia dito que “nós pegamos (o áudio) antes que fosse adulterado”. Carlos explicou que foi até o computador, pediu para tocar a conversa e a gravou — alegando que, como morador, tinha direito de fazer o que fez. 

 
O MOTORISTA – Élcio Queiroz, suspeito de dirigir o carro até o local do assassinato: áudio confirma ida à casa de Lessa

Quem, afinal, atendeu Queiroz quando ele parou na cancela? Até quinta-feira 7, a polícia não tinha ido atrás dessa informação, mas VEJA encontrou a resposta: foi o porteiro Tiago Izaias. A reportagem reproduziu para ele o áudio divulgado por Carlos Bolsonaro. “A voz é minha”, confirmou. O procedimento normal no Vivendas da Barra é manter dois porteiros na entrada, um na cabine e outro na cancela, mas Izaias diz que não se recorda com quem trabalhava no dia 14 de março de 2018. “Não lembro nem se estava dentro ou fora.
 
 A coisa toda aconteceu há tempos, e são muitas casas e visitantes o dia inteiro.” Izaias contou que, ao saber do depoimento do colega, tentou falar com ele por aplicativo de mensagem, para obter “a informação verdadeira”, mas não recebeu resposta. “Todos aqui no condomínio ficaram surpresos por ele ter ligado o presidente a um crime gravíssimo. Pode ser que estejam usando o Alberto para denegrir a imagem de Bolsonaro”, arriscou Izaias, que ostenta orgulhoso uma foto ao lado do capitão em suas redes sociais. No condomínio francamente bolsonarista, o próprio Alberto não escondia sua simpatia pelo presidente.

O sobrado em que Alberto Mateus vive, parecido com os outros da rua, tem dois andares e terraço. Quinze parentes convivem em cinco pequenos apartamentos de dois quartos, e no térreo, onde o portão costuma ficar aberto, membros da família mantêm uma oficina de carros improvisada. Um pequeno cartaz pregado no muro avisa que ali se vendem sacolés a 1,50 real. Os acontecimentos dos últimos dias perturbaram a vida no imóvel. “Está todo mundo nervoso. Eu mesma estou tendo que tomar remédio para a pressão”, contou uma das tias da mulher do porteiro. Outro parente, que também pediu anonimato, diz que está temeroso: “Ele é uma pessoa do bem, nunca se meteu com coisa que não presta. Depois de muito tempo desempregado, conseguiu esse serviço no condomínio. Agora está com muito medo de perder o emprego e até de morrer”. Já aposentado pelo INSS, o porteiro é um dos funcionários mais antigos do Vivendas da Barra — está lá há treze anos. 

 
O DONO DA VOZ – O porteiro Tiago Izaias (no destaque) em foto feita no condomínio de Bolsonaro quando Sergio Moro apareceu por lá, em novembro de 2018: áudios mostram que foi Izaias quem interfonou para a casa de Lessa avisando que seu comparsa chegara. “Pode ser que estejam usando o Alberto para denegrir a imagem do presidente”, disse a VEJA sobre o colega

O bairro da Gardênia Azul tem perto de 18 000 moradores em 6 500 domicílios, e no Índice de Desenvolvimento Humano aparece em 106º lugar entre as 126 regiões analisadas no município do Rio de Janeiro. A Gardênia Azul fica próxima à favela da Cidade de Deus e é reduto das milícias que atuam na Zona Oeste carioca. O local já estava no radar dos policiais que investigam o assassinato de Marielle porque há indícios de que um dos mandachuvas ali seja justamente Ronnie Lessa, acusado de dar os tiros que mataram a vereadora. Um relatório policial sobre buscas feitas pelo ex-­PM na internet, ao qual VEJA teve acesso, faz menção à “influência” dele no bairro. Lessa também procurou informações sobre a prisão de dois milicianos da área e, em outra ocasião, fez uso das palavras-chave “casal morto na Gardênia Azul”, em referência a um episódio ocorrido em 2014. “Segundo fontes humanas, os crimes teriam sido executados pelo próprio Ronnie Lessa”, diz o relatório. Ao saberem que os caminhos de Alberto e Lessa se cruzam na Gardênia, moradores do Vivendas da Barra levantaram a possibilidade de o porteiro ter se dobrado à pressão do miliciano ao sustentar que o comparsa dele, Queiroz, ia visitar a casa do presidente. “Todo mundo sabe como funciona o esquema da milícia. Seu Alberto pode ter protegido o Ronnie por ameaça, medo”, diz um deles. Lessa e Queiroz estão presos na penitenciária federal de Rondônia.

A casa 65 que Lessa alugava no Vivendas da Barra está vazia e fechada. Os aparelhos de ar condicionado foram removidos. A associação com a morte da vereadora e do motorista preocupa os moradores do condomínio, que temem ver os imóveis desvalorizados. “O lugar ficou malvisto, associado à milícia”, disse um proprietário. Mesmo assim, em um ato de solidariedade para com um funcionário antigo, solícito e considerado de confiança, foi convocada uma assembleia extraordinária para discutir a proposta de que as 135 casas se cotizem para pagar um advogado para o porteiro Alberto Mateus.
 
 REVOLTA – Protesto no centro do Rio: guerra entre poderes e nenhuma resposta sobre a morte de Marielle



A Polícia Federal abriu inquérito para continuar investigando a história do “seu Jair”. Em dezembro, o Superior Tribunal de Justiça (STJ) deve aprovar um pedido para que a PF assuma de vez as investigações, atrapalhadas até agora por uma disputa de egos entre Polícia Civil e MP do Rio que desembocou em erros, pistas falsas e omissões. Em setembro, VEJA revelou um inquérito da PF que dá detalhes de como a Polícia Civil foi ludibriada durante meses, seguindo uma linha de investigação inventada por um miliciano ameaçado de morte e sua namorada. No início do mês, manifestantes em várias cidades do país voltaram às ruas para protestar e exigir mais empenho na elucidação do caso. É de fato inconcebível que não se tenha desvendado a trama nem chegado aos mandantes de um assassinato que já completa vinte inaceitáveis meses sem solução.