Pular para o conteúdo principal

A anulação do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem ) 2011 deve ser decidida hoje

Alunos falam da prova no twitter
A anulação total ou parcial do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem ) 2011 deve ser decidida hoje. Após a reunião entre a presidente do Inep, Malvina Tuttman, e o juiz federal Luiz Praxedes Vieira da Silva, responsável pela ação que pede o cancelamento total ou parcial da prova.

O pedido surgiu após a confirmação de que 14 questões do exame, mais o tema da redação foram disponibilizados antecipadamente,  para alunos do Colégio Christus de Fortaleza. Cerca de 600 estudantes tiveram acesso as questões, dois dias antes da prova, que foi realizada por mais de 5 milhões de candidatos em todo o Brasil.

A primeira decisão do Ministério da Educação (MEC), após a polêmica, foi anular 639 provas, permitindo que os estudantes realizassem um novo exame nos dias 28 e 29 deste mês. Mesmo dia em que as avaliações eram realizadas com os privados de liberdade. A solução apresentada pelo ministério não agradou o juiz Luiz Praxedes nem o procurador Oscar Costa Filho. Quem movem uma ação contra o Inep. As informações são do portal Terra:

Na ação, o MP disse que busca “corrigir a violação ao princípio da isonomia no concurso do Enem 2011, de modo a assegurar a continuidade do certame com todos os candidatos em igualdade jurídica de condições na disputa”. Sobre a possibilidade de se anular apenas as questões que vazaram, o procurador da República Oscar Costa Filho escreveu na ação que seria uma alternativa legítima, à medida que “os efeitos operar-se-ão uniformemente a todos os candidatos no âmbito nacional, restando implementada assim a igualdade almejada”.

Segundo o procurador, é preciso levar em conta que outros estudantes podem ter acessado essas apostilas antes do Enem. “A rigor, não é passível a mensuração da quantidade de candidatos que tiveram acesso às referidas questões, quer pertencentes à instituição de ensino privada mencionada, quer pertencentes a quaisquer outras instituições”, escreveu.

Comentários