Pular para o conteúdo principal

Marcelino Vieira-RN completa 61 anos de emancipação política hoje, conheça algumas curiosidades sobre este município!

Rua Coronel Epifânio Fernandes - Marcelino Vieira, Rio Grande do Norte.Marcelino Vieira-RN

A cidade de Marcelino Vieira fica localizada no interior do RN, na microrregião de Pau de Ferro. Segundo o Censo, na cidade moram mais de oito mil habitantes, que todos os dias sofrem com o calor excessivo da cidade, que faz o povo suar de calor até no inverno. É uma cidade que tem uma extensão territorial imensa, a zona rural é grandíssima.

Características
A localidade, “ilha” ou povoado que hoje é conhecida como Marcelino Vieira foi fundado em 1864, não com este nome. Foi em 24 de novembro de 1953 que desmembrou partes do município de Alexandria e de Pau dos Ferros (distrito de Panatis) para formar um novo município potiguar, com o nome de Marcelino Vieira, em homenagem a um agricultor e criador paraibano, que veio para o Rio Grande do Norte, onde foi deputado estadual e intendente várias vezes, um José Agripino da vida.
Nessa cidade, além do prefeito e de alguns metros quadrados, possui também 9 vereadore na maioria são visitantes da Câmara.
Os prefeitos que habitaram a cidade são seres desconhecidos, que são votados anonimamente, sem ter a ideia de quem seja à pessoa na qual você esteja votando: seja a sua vó nazista ou até um amigo do seu filho que tem uma mente tão genial quanto à do Quico.
Outro fato que faz Marcelino Vieira sair na frente mais uma vez é a incrível falta d'água. Nessa cidade se faz rodízio de água, é! Uma entrevista feita com um morador da cidade afirma: Cquote1.png Aqui na minha casa só chega água a noite, e quando o sol começa a clarear a água começa a faltar. Mas, isso daí dá pra aguentar o que não dá é a gente passar meses sem água nenhuma e ainda vem os malandros da CAERN cobrarem o dobro da conta por um mês que a população nem consumiu, inclusive, se paga até o ar que passa nas torneiras, são uns filhos da mãe mesmo. Eu passei dois meses tomando banho com o auxílio de um pincel, sem contar que a água daqui desafia todos os princípios da ciência, pois ela tem cor, sabor (gosto de peixe podre) e odor (ruim também). Para fazer esse teste eu fui até um colégio público beber a água de lá e constatei que era servido com cloro aos alunos. Cquote2.png 


Saúde
Já na Saúde, ufa! É na lei: salve-se quem puder. Dizem as más línguas, ou melhor, a oposição do governo municipal, que a saúde do município se encontra na UTI, com a mão na vela. O município detém um posto de saúde, bonito por fora, e uma maternidade que nasce ninguém, nem cabrito. A maternidade é uma instituição filantrópica e a prefeitura é a principal fomentadora, lá é normal faltar seringa. Doença grave aqui, como AVC e ataque cardíaco, dependendo da gravidade, é a sepultura, 7 metros.
Aqui como em outras cidades tem a secretaria de saúde, lá é normal a Cosern cortar a energia. E a culpada é a Cosern.
Economia
Do ponto de vista socioeconômico, a pirâmide social da cidade seria organizada mais ou menos assim: No topo estaria à nobreza, a burguesia, ou seja, os políticos, a menor parte da população.
 Logo abaixo deles, estariam os comerciantes: donos de bodegas ou postos de combustíveis e bares, este último tem muito, isto por que algumas pessoas deste município acompanham os bares de segundo a segunda.
Abaixo desta classe, vem outra que está surgindo recentemente, as revendedoras da AVON e Jequiti.
Logo abaixo, vem à classe das pessoas que movimentam a economia, os coitados dos aposentados e pensionistas do INSS.
Neste meio, têm os boys do crediário que viajam para outros estados e até regiões, em busca de recursos. Normalmente os jovens que saem do ensino médio, entram neste ramo. A maioria deles quando chegam à cidade das viagens, gastam todo dinheiro nas farras.
Abaixo deste (infelizmente... mas, existe!) é a classe dos proletariados, também conhecidos como escravos trabalham para os comerciantes e ganham um salário de mais ou menos R$ 50,00 por mês, essa é a média.
Em seguida, engloba os “escravos” da prefeitura, diaristas e contratados que trabalham 3 meses e ganham 1. Ou seja, a prefeitura se faz que paga e o pessoal que trabalha.
Por último, têm as pessoas do Bolsa Família que não são poucas famílias, só mais de 90%.
Saneamento Básico
Ao contrário do resto do mundo, em Marcelino Vieira não tem lixões e esgotos dentro dos rios, pelo contrário, possuem RIOS DENTRO DE ESGOTOS E LIXÕES. E em condições precárias, ainda, pois a água suja é misturada a água oferecida pela CAERN para ser usada domesticamente, e a área de esgotos fica invadindo o quintal da casa de Dona Júlia, incomodando seus vizinhos por causa do barulho do lixo caindo.
Cquote1.png Ei, cumpadi! Achei a a insulina e os captopril! Cquote2.png
Morador da cidade sobre remédio

Curiosidades
A Cidade se tornou conhecida quando foram encontrados remédios dentro de lixões e uma estátua de Santo invisível.
Maioria das obras aqui ficam empacadas no caminho, é a peculiaridade do município, ou seja, sem esta característica não poderia ser Marcelino Vieira.
Aqui tem dois grupos políticos, a situação – Gestor e a oposição ou conhecido como bicudo e bacurau. Estes grupos disputam o poder pau a pau, inclusive o prefeito saiu do poder duas vezes desde 2012.
É a única cidade que o Wikipédia ainda não atualizou na sua página quem é o prefeito da cidade, mas também a cidade passou um tempo aí mudando de prefeito(a) todos os meses, é compreensível isto, já são meros voluntários que escrevem no Wikipédia.
Aqui o Jegue Folia, micareta da sacanagem, é mais cultural que a festa do Padroeiro Santo Antônio. Outra “arte” que virou cultura aqui é a fofoca, fuxico.

Tem extensa área territorial.
Este texto foi editado (do desciclopedia leia na integra:  http://desciclopedia.org/wiki/Marcelino_Vieira)  e atualizado para homenagear a nossa tão amada MARCELINO VIEIRA-RN que completa hoje 61 anos de emancipação política, mesmo com tantos problemas, como em outras cidades do país, somos felizes e hospitaleiros.

 Parabéns!!!















"Aqui é c* do mundo!"

Moradores da cidade sobre Marcelino Vieira


Comentários