Pular para o conteúdo principal

Ultimas pesquisa indica presidente Mulher e Henrrique Alves Governador do RN. No Brasil os nanicos não tem vez e brasileiros estão pouco se lixando para a política.

A sucessão presidencial vive um quadro político realmente inédito, com consequências eleitorais inusitadas, ainda. Nem os protagonistas, com toda certeza, estão entendendo. Os seus marqueteiros e assessores também. “No frigir dos ovos”, como Marina da Silva costuma definir as coisas, ninguém está entendendo. 

Aécio está fora, definitivamente, do páreo presidencial? Dilma reeleita em um segundo turno? Marina eleita presidente no segundo turno? Um salto no escuro.

Marina que risco corre? Nenhum. Aécio o que fez? E a presidente Dilma? Todos três pregam “mudança”, a palavra mágica nesta eleição? Os candidatos ditos “nanicos”, ninguém sequer ouve falar.  Quantos são? Ninguém sabe. Um salto realmente no escuro ou uma eleição presidencial? 

A economia pode estar na razão direta do rumo final? A morte de Eduardo Campos definiu a eleição?


Quadro Potiguar:
Os eleitores entenderam o quadro local? Desde a primeira pesquisa, três meses passados, até as mais recentes todas apontam Henrique Eduardo à frente de seu principal competidor, Robinson Faria, com vantagem entre 11 e 15 pontos equivalentes a 280 mil votos. 

Quadros complicados
Os quadros locais complicados são os de deputados federal e estadual. Pode haver candidato recordista de votos, na faixa de 60 mil votos, eleito para deputado estadual e candidatos com 40 mil votos não se elegerem, perdendo para quem terá menos de 30 mil votos. Complicado. E para deputado federal, candidatos com 280 mil votos serem eleitos, enquanto, na mesma eleição, existirão outros com 100 mil votos que não se elegerão, perdendo a vaga para candidatos com menos de 50 mil votos. É o voto proporcional.

Informações da tribuna do norte

Comentários