Pular para o conteúdo principal

RN tem 3 médicos no SUS para cada mil habitantes

Com uma proporção de três médicos no serviço público para cada grupo de 1.000 habitantes, o Rio Grande do Norte ocupa a segunda posição no Nordeste e chega perto da média nacional, de 3,1. O Estado se destaca ainda na taxa de frequência líquida de 90,4% e no ensino fundamental, 63,3% dos professores tem  formação superior. É o que mostra o estudo "Presença do Estado no Brasil: Federação, suas Unidades e Municipalidades", divulgado ontem pelo Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea). De acordo com o estudo, o Norte e o Nordeste têm menos profissionais de saúde qualificados e menos médicos por mil habitantes que a média brasileira, que é de 3,1. No Norte, esse número é de 1,9 e no Nordeste, de 2,4, enquanto o Sul e o Sudeste têm igualmente 3,7 médicos por mil habitantes. O Centro-Oeste tem 2,9 médicos por mil habitantes.

Os temas abordados contemplam as áreas de saúde, educação, cultura, assistência social, trabalho, segurança pública, transportes e instituições financeiras públicas. Os dados referem-se ao último ano disponibilizado e tratam em sua maioria de registros administrativos coletados junto aos ministérios, às autarquias e aos institutos de pesquisa. Este documento mantém-se no nível da unidade da Federação (UF), mas há dados analisados por município, que serão disponibilizados no site do Ipea posteriormente.

De acordo com o presidente do Ipea, Márcio Pochmann, a desigualdade na saúde ocorre porque os equipamentos e a presença dos profissionais é diferenciada. "O Estado tem uma atuação bastante complexa do ponto de vista de um país continental e com uma população que é a quinta do mundo. Essa complexidade é maior pelo fato de termos um sistema único de saúde especialmente na atuação pública fazendo com que todo o país seja atendido embora as regiões mais ricas sejam aquelas que possuem melhores equipamentos e maior presença de profissionais, quando os estados mais pobres não têm o mesmo padrão de intervenção".

A pesquisa também analisou a presença dos bancos públicos nas regiões. Quando se fala em número de agências bancárias por mil habitantes o resultado é que há 5,3 agências no Sul, 3,9 no Centro-Oeste, 3,7 no Sudeste, 2,8 no Nordeste, e 2,6 no Norte. Quanto à cobertura bancária é medida por número de cidades em cada região, o Centro-Oeste tem a maior cobertura com 66% dos municípios atendidos, o Sudeste tem 60,2%, o Sul 56,8%, o Nordeste 39,4% e o Norte 38,3%.

O estudo mostra ainda a presença de bibliotecas em 150 municípios do Rio Grande do Norte, museus em 24, teatro ou casa de espetáculo em 17, provedores de internet em 58 e estádio de futebol ou ginásio poliesportivo em 154 cidades. 

Via: Tribuna do norte

Comentários