sábado, 1 de outubro de 2011

Greve no IFRN continua

Veja um trexo do ultimo boletim do SINASEFE:
[...] Com efeito, seguindo as deliberações da 104ª Plena na qual as bases ratificaram, por ampla maioria, a  necessidade de continuidade da greve com ações radicalizadas, construímos (CNG) e encaminhamos agenda de lutas que se converteu em atividades do movimento grevista. Estas atividades nos fizeram comprovar que temos totais condições de “caminharmos com nossas próprias pernas”, identificando elementos que nos unem e fortalecem enquanto categoria, que apontam para a integração dos laços que nos agregam em todo o Brasil, demonstrando que é possível sustentar uma greve de caráter e impacto nacionais, com reivindicações sólidas e pertinentes à totalidade da categoria e em defesa da educação em seu sentido mais nobre, com radicalidade, a despeito do descaso e intransigência do governo federal que continua a desprezar nossa força desde os primeiros dias de greve e que ainda insiste em ignorar o poder de luta e representatividade do SINASEFE, sobretudo ignorando a legitimidade da greve. Vivemos um momento de mudanças, um tempo de renovação das forças de luta que muito se deve às novas possibilidades históricas postas pelo processo de expansão da rede federal e, não menos, pelas feridas abertas por este mesmo processo que atingem em cheio os/as servidores/as que compõem os Institutos Federais em todo o país. Devemos sustentar a determinação em revelar à sociedade o calcanhar de Aquiles do governo federal que vem promovendo a expansão das redes federais de ensino sem considerar sequer compromissos básicos em relação às carreiras de servidores envolvidos no processo, bem como com a qualidade da educação pública neste país, haja vista o claro posicionamento privatista do governo federal ao investir pesado em programas como o PRONATEC. Por fim, cabe lembrar, que uma greve no SINASEFE, ao paralisar a rede federal de educação básica, técnica e tecnológica, pode, inclusive, inviabilizar o ano letivo devido à postura autoritária e intransigente do governo federal. É a partir deste entendimento que o Comando Nacional de Greve sustenta a necessidade de união e radicalização do movimento grevista. Aos que sentem seu espírito abatido pelo cansaço da extenuante batalha, lembramos o grito dos quilombolas com quem estivemos em manifestação na frente do Palácio do Planalto: “Movimento quilombola nunca está cansado, melhor morrer lutando do que ser escravizado”. 

FONTE: Comando Nacional de Greve do SINASEFE

E o brigado IFRN por lembrar deste blog e citá-lo no IFRN na Mídia

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Comente com responsabilidade, sem direcionar o seu comentário a nenhum membro ou pessoa particular. lembre-se que seu comentário ficará visível e poderá ou não ser respondido por qualquer pessoa.