Pular para o conteúdo principal

ESCANDALO: Inquérito é instaurado para apurar descarte de remédios em lixão de Natal

A Delegacia Especializada de Defesa do Patrimônio Público (Dedepp) está investigando o descarte de mais de cem medicamentos encontrados em uma caçamba de lixo, no bairro de Cidade da Esperança, na última sexta-feira. A denúncia foi formalizada ontem pelo procurador geral do Município, Bruno Macedo. Segundo ele, ainda será verificado se tais medicamentos faziam parte do estoque da Secretaria Municipal de Saúde (SMS).

Ainda ontem pela manhã, a prefeita de Natal, Micarla de Sousa, reuniu-se com o secretário estadual de Segurança Pública, Aldair da Rocha, para pedir apoio à polícia para investigar o fato. Em seguida, os remédios que estavam na Coordenadoria de Vigilância Sanitária (Covisa) foram levados à Dedepp. O delegado Júlio Rocha abriu um inquérito para apurar o descarte e comenta que é preciso analisar o caso para verificar se houve mesmo algum crime.

Na última sexta-feira, uma caixa com mais de cem frascos de remédios de uso controlado foi encontrada por garis, no bairro Cidade da Esperança. A caixa estava no meio do lixo e dentro dela haviam 103 ampolas da insulina Insunorm R100 e 16 frascos do analgésico Provive 1%, medicamento de uso restrito a hospitais - todos dentro do prazo de validade.

Bruno Macedo acredita que, no mínimo, tenha ocorrido crime de dano ao patrimônio. "Depois vamos averiguar se houve também peculato (quando um funcionário público desvia bens da administração pública) ou algum outro delito". O procurador ressalta também que está sendo analisado se os lotes pertenciam ao município do Natal ou se eram de algum outro local ou órgão. "Pode não ser da gente".

Ele destaca que um dos tipos encontrados, o Propofol, é um anestésico, normalmente usado em procedimentos cirúrgicos de médio porte. "E não temos muitas unidades de saúde municipais que façam uso desse anestésico". Bruno Macedo sugere que possa ser da rede estadual, pois "isso costuma ser usado por hospitais maiores".

No dia em que foram encontrados os remédios, a Secretaria Estadual de Saúde Pública (Sesap) informou que a Unidade Central de Agentes Terapêuticos (Unicat) repassou o lote de insulina, que estava entre os medicamentos descartados, para várias unidades de saúde, inclusive à SMS. A diretora da Unicat, Telma Praxedes, garantiu também que o lote de anestésicos não faz parte do estoque da Sesap.

DN ONLINE

Comentários